Ainda na nossa aventura asiática, apesar dos voos com escala serem cansativos e, regra geral, algo para se evitar, foi graças a isso que visitámos A Grande Muralha da China, a partir de Beijing.

Depois de quase um mês com sol e calor, esperava-nos uma escala em Beijing (ou Pequim para os mais antigos), de 14 horas, e com muito frio! Até 72 horas de visita, é possível ter isenção de visto para entrar em Beijing, o que facilitou bastante.

Obviamente que não quisemos perder a oportunidade de visitar esta maravilha do mundo: conhecida como “O Dragão de Pedra”, a grande muralha da China começou a ser construída em 215 a.C. a fim de proteger a região contra ataques de inimigos. A obra levou cerca de 20 séculos para ser finalizada, tendo sido a sua última parte construída entre 1368 e 1644, durante a dinastia Ming, o que gerou a mudança do tamanho calculado, que inicialmente era de cerca de cinco mil quilómetros e agora está comprovado que são mais de oito mil…

Chegámos a Beijing de manhã, onde apanhámos o airport express até à estação Dongzhimen. Aí seguimos as placas até Bus Transfer All, de onde sai o autocarro 916 em direção a Huairou, a zona mais próxima de Mutyanu, e depois um táxi. Demorámos, no trajeto, cerca de 1 hora. Não queríamos visitar a zona de Badaling (mais popular e conhecida, porém com mais turistas), mas sim a zona de Mutyanu. E este é um conselho para quem quiser visitar a Muralha da China, pois conseguimos estar completamente sozinhos.

Subimos de teleférico e andámos ao longo dos corredores da Muralha, admirámos as montanhas com alguma neve. Subimos e descemos vários lances de escadas, assistimos ao pôr-do-sol.

À nossa espera, o taxista que nos levou até lá. Para novamente irmos para o centro da cidade e regressarmos ao aeroporto. À noite ainda aproveitámos para dar uma volta de táxi pela cidade, que nos despertou mais curiosidade de conhecer a China.

 

 

·

Boas viagens!!

by umapranchaparadois